quarta-feira, 3 de agosto de 2016

A música orgânica de Sérgio Di Ramos

    Edição e revisão: Marsel Botelho

                                                            A poesia,música e pintura saem dessas mãos.




Enquanto a grande mídia insiste em nos empurrar uma música plastificada, intragável, insossa, amarga e sem conteúdo, nos rincões desse Brasil sempre tem alguém fazendo uma música doce, com temperos finos, que faz bem para o corpo e para a alma, como faz a música deste baiano de Itabuna, Sérgio Di Ramos, que está lançando seu sexto álbum, intitulado “Com as mãos”, produzido por ele próprio, em parceria com Charles Williams. O CD conta com 11 faixas, sendo 10 assinadas pelo artista e uma em parceria com o poeta e escritor baiano Aleilton Fonseca, chamada “Ladeira do Outeiro”. O disco tem o selo de qualidade da gravadora e editora Kuarup.
Sérgio é um artesão no sentido profundo da palavra. Ele produz suas canções, seus livros, violões, seus quadros, literalmente com “As mãos”, titulo do sexto filho musical. Orgânico álbum que permite mostrar que o artista exala do cotidiano a poesia viva, que caminha junto com a melodia extraída de dentro, onde mora a canção no íntimo do seu ser.  

O artista nos contempla com um vocabulário rico, permitindo adentrar a alma da palavra e tirar o sumo de seu significado. Um piano dá as boas-vindas na primeira canção “Última Selfe”. O tema noticia bem a moda das “Selfes”, que nos retratam momentos, e nunca a alma deles. A música “Com as mãos”, que dá título ao CD, é um gostoso samba-canção, com o qual o poeta define as funções das mãos. Numa das canções mais profundas do álbum, o artista, com uma poesia triste, denuncia e, ao mesmo tempo, alerta sobre a morte diária do velho rio “São Francisco”, que durante décadas foi o grande braço eleitoreiro do Nordeste. Triste realidade para as comunidades ribeirinhas que vivem do rio.

Como escrevi, a música que o poeta baiano veste é orgânica: Na quarta faixa “Erosão”, o tempo e o que tem dentro dele são tratados de forma única, ímpar. O Sérgio também é um grande pintor: suas telas são belos poemas pintados, enquadrados de emoção. Em “Cavalete de Cristal”, o artista pinta seu autorretrato. Nas cidades interioranas eram frequentes o uso dos sinos de suas igrejas e catedrais para anunciar as horas, suas festas, seus casamentos e funerais, aqui o artista canta seu “Sino Senhorio”. Fazia tempo que não ouvia a expressão “Tengo, Tengo”, imortalizada por Luiz Gonzaga na música “Morte do Vaqueiro”. Sérgio canta “Tengo, Tengo é o Trem”. Descreve as idas e vindas no metrô de Salvador. Usando metáforas, o artista canta a bela “Espantalho”. Um autêntico arrasta-pé ouviremos em “Aboio de Março”: flauta e acordeom, voz e uma vontade arretada de dançar numa sala de reboco. Uma cantiga se ouve em “Casamento da Raposa”, nela o artista tem a companhia finíssima do Cello de Shmidt.

Última canção do disco, “Ladeira do Outeiro”, o artista a veste com sua melodia, o poema é recheado de lembranças de outrora, do tempo de criança do poeta Aleilton Fonseca.

Sérgio Di Ramos é esse caixeiro-viajante, menestrel das canções, poeta de imagens e luthier de emoções, que a cada trabalho se entrega de corpo e alma, e quem ganha somos nós.

3 comentários:

  1. Mais uma vez o Planeta MPB nos traz um grande cantautor dos confins do nosso imenso Brasil! E, Dery, pelas suas palavras, nota-se a riqueza do trabalho, da lapidação da sua organicidade. Obrigado, Dery, por nos oportunizar conhecer esse novo álbum e parabéns Sérgio Di Ramos para autenticidade de sua arte!

    ResponderExcluir
  2. Sergio di Ramos nos oferece uma música vibrante, orgânica e visceral, que nos inunda pelos poros, nos toca a alma.

    ResponderExcluir
  3. Um belo texto que fala de um grande artista, parabéns!

    ResponderExcluir