quarta-feira, 4 de maio de 2016

Baita Som

Foto:Alan Siqueira  
Edição e revisão: Gesu Costa

                                                           Gaúcho inova na temática romântica  




                       Ligue a TV nos programas de auditório e você verá que são sempre as mesmas figuras carimbadas de toda semana, além de muitas rádios cuja programação se repete sempre com os mesmos; poucas rádios estão disponíveis a um novo trabalho e tocar as canções inéditas; além do mais, criam dificuldades para não atender os novos artistas, com isso, cresce em nós uma certa desconfiança de que o jabá prevalece como nunca. A mídia dominante não dá oportunidade ao público de conhecer novas músicas de artistas inéditos. Entretanto eles são verdadeiros guerreiros por conseguir vencer esta dificuldade de divulgação para o grande público. Meu amigo leitor, se você procurar muito, achará trabalhos maravilhosos que soam na contramão.

                    O Planeta MPB tem o prazer de apresentar o cantor e compositor gaúcho, radicado em São Paulo, Luque Barros, que nos contempla com seu CD de estreia “Muito Pouco Menos Mais”. Produzido por Daniel Brita e o próprio artista, o álbum consta de 10 faixas autorais.
          Luque é gaúcho de Ijuí, 25 anos de carreira profissional. Desde 1997, participa da Banda Glória, de Fred Mazzuchelli, onde permanece. Fez parte da banda de Vanessa da Mata e toca com artistas renomados como: Elza Soares, Renato Teixeira, Tulipa Ruiz, Marcelo Jeneci, Otto, Nô Stopa, Iara Rennó, DonaZica, Zé Guilherme, Gero Camilo, Andréia Dias, entre outros. Neste primeiro solo, o artista envereda para a temática romântica dos amores perdidos, conquistados enrolados e nos mostra com propriedade um “Baita Som”. “Jogo de Vaidade” abre o CD e mostra que o artista está preparado para por o pé na estrada. Destaque para o naipe de metais. A segunda faixa dá título ao álbum “Muito Pouco Menos Mais” é uma moderna música de dor de cotovelo que traz um chavão “Eu quero morrer se você me deixar”, belo arranjo. Luque deve agradar a quem ainda não conhece seu som. “Desacelerar” fala da importância do tempo que temos para organizar, ter paciência e apaziguar. O tema separação, desapego e cantado com propriedade na canção “Nada Passa”.

                  O lado roqueiro do cantor ganha destaque na canção “Ando Bem Ligado” e um samba rock se ouve em “Entendo”. Luque Barros está bem acompanhado, pois, neste primeiro álbum, ele contou com a participação desses músicos: Etevan Sinkovitz, Gustavo Ruiz, Marcelo Jeneci, Caio Lopes, Alan Abbadia, Allen Alencar, Simone Julian, Giovanni Barbieri, Jorge Cirilo, Amilca Rodrigues, Ricardo Herz, Daniel Brita e Fernando Catatau. Ouça a canção “Falta de Educação” e se encontre, a música lembra o saudoso Reginaldo Rossi. A oitava canção “Você e Eu” é uma das mais belas do CD na minha opinião, vale conferir.  Para finalizar ouviremos “De Fato” e “História sem Fim”.


               Confira tudo isso e muito mais no Lançamento do CD: Muito Pouco Menos Mais. Dia 8 de maio. Domingo, às 19 horas. Teatro Décio de Almeida Prado. Rua  Cojuba, 45 - Itaim Bibi/SP. Tel.: (11) 3079-3438. Grátis (ingressos 1h antes). Duração: 60 min. Classificação: Livre. Capacidade: 186 lugares.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Leve

Edição e revisão:Patricia Chammas



  Não se sente a ausência das palavras.


              A série “Sem Palavras” terá minha crítica para os trabalhos instrumentais que são ricos, porém, pouco difundidos. Este canal abre as portas e dá voz para os artistas mostrarem suas criações. Apresento o CD “Suíte Encontros”, do compositor e violonista paraibano, José Ricardo, radicado em Guarulhos, SP. Produzido pelo próprio artista, o álbum contém 12 temas autorais e uma regravação. Foi financiado com recursos públicos do Funcultura – Fundo de Cultura da Prefeitura Municipal de Guarulhos.

            A música de José Ricardo é leve e nos conduz em seus movimentos. Ela não precisa de palavras para se expressar – quem a ouve torna-se parceiro, pois as palavras vão sendo tecidas a cada nota. Abra um bom vinho, feche seus olhos e deixe a música invadir seus poros. “Prelúdio”, de uma delicadeza única, abre o CD, e é dedicada à pianista e compositora Débora Gurgel, com quem o jovem violonista teve aulas. “Movimentos”, um tema em que o violonista mostra técnica apurada, é dedicado ao amigo, violonista e compositor, Vitor Castellano. “Recordação” merece uma letra igualmente bela, pois a melodia pede. O amigo e professor João Argolo foi o homenageado da vez.

            Uma das composições mais poéticas do CD é dedicada ao mestre Johann Sebastian Bach, com o movimento “Ala Bach”. Ela nos conduz por um bosque em plena primavera, cheio de aromas e cores. Ouvir um CD desse nível nos fortalece, pois representa os artistas que acreditam no que produzem. Essa é a verdade e a história dos que se entregam de corpo e alma à sua música. Como bom violonista que é, o autor não poderia deixar de fora o choro, tão tradicional nas rodas do instrumento. Assim, ouviremos “Dá Tempo!”, onde ele mostra habilidade e domínio das escalas. Em “Casa de Taipa” o músico utiliza elementos nordestinos do maracatu para nos agraciar. A sétima faixa é um presente aos nossos ouvidos, tão surrados diariamente. José Ricardo interpreta lindamente a melodia da “Oração de São Francisco” (Padre Casimiro Irala), podendo levar às lágrimas os menos avisados.

            A canção “O Peregrino” é dedicada ao compositor baiano Vidal França, assim como aos artistas que, como ele, caem na labuta com uma música que emociona e que tem caminhos muitas vezes dolorosos. A décima faixa, “Janeiro” (José Ricardo/Lula Canário) tem a participação especial do flautista Nelson Franca. A canção imprime o que há de mais belo no trabalho de José Ricardo: um convite ao banho na chuva, a subir na copa do imbuzeiro, ao beijo na mulher amada e a contemplar o nascer do sol. Em “Margem”, composta originalmente para violão e flauta, o tema emociona fortemente, num misto de alegria e tristeza. O artista, através de suas lembranças, volta à sua terra natal, a pequena Princesa Isabel, no sertão paraibano – terra também do lendário violonista Canhoto da Paraíba – para nos brindar com um baião ligeiro, quase um galope, “Entre Açudes”. Na penúltima faixa, “Baião de Três”, pra lá de bom. Para finalizar este primeiro de muitos, um genuíno arrasta pé: “Tema de Antônio Gerônimo". 



quarta-feira, 13 de abril de 2016

Tuia – Reverso Folk

 Edição e revisão: Gesu Costa/Patricia Chammas


                                                         A veia melódica e poética do inquieto artista. 


           “Todo artista tem de ir aonde o povo está”, já diziam Milton Nascimento e Fernando Brant na letra da canção Nos Bailes da Vida. O cantor Tuia Lencione, natural de São José dos Campos (Vale do Paraíba – SP), segue à risca o ensinamento dos mestres, pois ele não espera o sucesso bater à porta – vai à busca dele com muito trabalho e dignidade.

         Conheci seu talento a partir do segundo CD, “Jardim Invisível”, para o qual escrevi uma crítica em 28 de agosto de 2013 nesta coluna. Hoje volto a escrever sobre esse inquieto cantor e compositor genuinamente brasileiro, que acaba de lançar o seu terceiro álbum. “Tuia – Reverso Folk” apresenta 10 temas autorais e três participações especialíssimas que avalizam esse belo trabalho. O ano de 2016 começou bem para o artista, pois assinou com uma grande gravadora, a Sony Music. Produzido por Glauber Ribat e o próprio artista, o CD foi gravado em sua cidade natal e na capital paulista. “‘Reverso’ significa uma volta aos textos poéticos a serviço da melodia. Esteticamente soa quase como uma ‘subversão’ ao folk tradicional, deixando um pouco de lado o ícone Bob Dylan e trazendo à tona mestres do estilo no Brasil, como Zé Geraldo, Tavito e Guarabyra”, diz o autor.
        
         Além de ser bom cantor e compositor de mão cheia, Tuia também tem intimidade com as palavras às quais transforma em poesias, que são vestidas por suas melodias e harmonias. Abrindo os trabalhos ouviremos “Pureza”, que fala da beleza que os olhares calados são capazes de enxergar. A segunda canção, “Ainda a Mosca”, conta com a participação especialíssima de Zé Geraldo, que divide os vocais com Tuia. A emoção neste tema faz referência ao eterno Maluco Beleza, Raul Seixas. Na terceira faixa o cantor e poeta nos oferece um deleite ao ouvirmos: “O amor é livre/Mais leve que o ar/Voar tão Simples/O amor é livre/Cavalos que rasgam pro mar”, o refrão da romântica “Tão Simples”.

         Em “Jabuticaba” Tuia faz uso da metáfora para mandar o recado direto ao desejo de amar. Em “O Mundo é Nós Dois” o artista canta o amor e seus obstáculos em uma bela balada. Sexta faixa do álbum, a bela “Vermelho Coração”, traz a participação especial do cantor, compositor e produtor mineiro, Tavito, cantando com o autor. Ouvir Tuia é ver a MPB aflorando em suas poesias musicais. Na sequência vêm “Outubro”, “Quando Anoitecer”, “A Cor do Dia” e fechamos essa bela audição com a música de trabalho, “Flor”, em que o artista canta com Guarabyra, terceira participação especial do álbum.

         Encontrei com o Tuia dias atrás no show do 14 Bis. Ele mandou este recado para vocês, leitores: “Olá, meus amigos do Planeta MPB! Aqui é o Tuia, sou cantor e compositor e apresento a vocês meu novo CD, ‘Reverso Folk’, com um pouco de folk , rock e MPB, tudo com sabor bem pop! Música do coração, isso eu garanto!! Espero que vocês conheçam e gostem! Vamos engrossar o caldo da boa música, aquela feita com alma! Valeu! Beijos.”

quarta-feira, 6 de abril de 2016

35 Anos Em Pleno Voo

 Edição e revisão: Gesu Costa

                                         Quarteto é atemporal e legião de fãs se renovam a cada show


                De modo surpreendente abrimos esta matéria com um recado do guitarrista Cláudio Venturini por telefone “ Fiquei pensando em como eu poderia contar um pouco dos 35 anos com poucas palavras. Então resolvi agradecer a cada um que assistiu a um show um dia, que curtiu uma canção e se emocionou em algum momento com nossas músicas. Quero agradecer a São Paulo e a todos que amam essa cidade, onde a banda começou, coincidentemente, na praça 14 Bis. Ali gravamos as primeiras músicas e, pouco tempo depois, perto dali na 9 de julho, no teatro da GV aconteceu nosso primeiro show, que jamais vou esquecer. Foi assim que tudo começou. Obrigado São Paulo, o 14 Bis ama e deve muito a todos vocês”.

              Por ser impossível contar a história vitoriosa de 35 anos da banda em 3000 caracteres, vou tentar contar algo sobre os detalhes técnicos; os pessoais ficam para uma próxima matéria, pois é correto afirmar que eles tocarão por muitos e muitos anos. Com Produção de Sir. Milton Nascimento, a banda grava seu primeiro Lp, “14 Bis” e ganham a versão de “Unencounter - Canção da América” dos seus autores Milton Nascimento e Fernando Brant para que a banda pudesse gravar. O segundo disco “14 Bis II” tem produção do mineiro Tavito e a banda emplacaria as canções “Planeta Sonho”, “Caçador de Mim” “Nova Manhã”, “Bola de Meia, Bola de Gude” e o progressivo instrumental “14 Bis I e II”.

           “Espelho das Águas” é um álbum clássico, para mim o melhor, nele temos “Mesmo de Brincadeira”, “Nos Bailes da Vida” que na minha singela opinião é a melhor gravação que já houve desta canção. O hino “Linda juventude” gravada no famoso disco da capa vermelha “Além Paraíso”, é dedicado ao amigo Bituca (M.N), nesse disco ainda temos “Uma Velha Canção Rock `n Roll.  O vinil “Idade da Luz” imprime o lado romântico da banda com a campeã de temas de casamento “Todo Azul do Mar” e a antológica Nave de Prata. “A Nave Vai” é um disco que mostra que a banda sempre foi contemporânea da tecnologia e nos brinda com um álbum com bateria eletrônica (novidade para época) além dos sintetizadores. O álbum “Sete” é último de estúdio em que Flávio Venturin participa. Nele temos a parceria “Mais uma Vez” entre Flávio e Renato Russo.

            O disco “Ao Vivo” marca a despedida de Flávio dos palcos em um show antológico em 25 de dezembro de 1987 no Palácio das Artes - Belo Horizonte -MG. Foram seis anos de acertos principalmente nos vocais até a nave sair do hangar e levantar voo com o álbum “Quatro Por Quatro”, primeiro da banda na geração CD. Cláudio Venturini assumi a voz principal e seu lado compositor,  junto com Vermelho, Magrão e Hely continuam a voar.

          “Siga O Sol” é um belo álbum e mostra maturidade do quarteto. A banda também gravou o seu acústico com releituras de seus clássicos e apresenta as inéditas “Sonhando o Futuro” e “Tudo Céu”. No ano 2000, dividiu os palcos e o CD com a banda Boca Livre “Boca  Livre e 14 Bis” O último CD de inéditas “Outros Planos” é fantástico, porém foi pouco divulgado. “ 14 Bis Ao Vivo” a banda ganhou CD e DVD de ouro.

Confiram  14 Bis ,35 anos. No Teatro Safra dia 08 às 21 horas.  Rua Josef Kryss 318 –Barra Funda - SP – Informações 3611

quarta-feira, 30 de março de 2016

Beto Guedes, Tour 2016

                                                                                  Foto:Bolivia&CátiaRock   
                                                                             Edição e revisão: Gesu Costa

                                                                             Música que vem da alma



                          Escrever sobre Beto Guedes é muito prazeroso, pois há muitos adjetivos para qualificar este que é, sem dúvida, um dos maiores nomes da música brasileira. Há mais de 40 anos em plena atividade emocionando os fãs pela sua voz. Beto contabiliza dois DVDs, 13CDs solos, a participação no Lp Clube da Esquina l – 1971, dividiu o LP "Beto Guedes / Novelli / Danilo Caymmi / Toninho Horta" em 1973, participação no Lp Minas – 1975, dividiu o compacto "Caso você queira saber" / "Norwegian Wood" com Milton Nascimento em 1975. Beto começa a Tour 2016 pela capital paulista depois de se ausentar por um ano e meio dos palcos.

                       Quero ressaltar a importância de seu último trabalho intitulado “Outros Clássicos”. Um álbum gravado ao vivo no Teatro do Palácio das Artes em Belo Horizonte em 2010 e lançado no ano seguinte e dedicado ao famoso lado B, que, no caso do Beto, é um verdadeiro deleite aos ouvidos. Beto é um artesão de canções, é conhecido por ser minucioso com as canções, logo nos oferece o que há de mais belo.  Adorado e referenciado por fãs anônimos e a legião de famosos que não economizam palavras para falar desse “Menino” tímido. Ele é pura sensibilidade e emoção, homem simples, como devem ser os gênios. “Beto, o homem dos mil instrumentos, da voz emocionada e de melodias ricas de som e ritmo. Esse é um cara em quem aposto e acredito desde que conheci. Faz parte de uma turma radicada em Minas, que canta como vive”. Milton Nascimento (Site Oficial Beto Guedes).

                   Vou dar uma opinião que pode ser um tanto exagerada, mas quando me refiro a Minas e suas músicas, o nome e a imagem que me vêm é a do Beto. Não existe sensação mais gostosa do que fazer uma viagem a Minas ouvindo as canções deste mineiro de Montes Claros, que herdou do pai Godofredo Guedes a arte, e, hoje, vê essa arte sendo propagada por seus filhos Gabriel e Ian.

Com produção da MoshiMoshi, e acompanhado de um banda mais que especial formada  por Neném (Bateria), Cláudio Farias (teclados), Ian Guedes (guitarra), Adriano Campagnani (Baixo),  Beto deve emocionar seus fãs com essa nova Tour, que tem início em São Paulo nesta sexta dia 01. Tive acesso ao set list e irei divulgar algumas das canções deste gênio que, também, é apaixonado por aviões. Um  repertório rico com seus clássicos e com canções de amigos que gravou como “Sonhando o Futuro” (Cláudio Venturini/Lô Borges),“Nascente”(Flávio Venturini/Murilo Antunes), Espelho d´Água”(Dalto/Cláudio Rabello), As Vitrines(Chico Buarque de Holanda)  “Maria Solidária(Milton Nascimento/Fernando Brant), “Paisagem da Janela(Lô Borges/Fernando Brant) “Pela Claridade da Nossa Casa (Beto Guedes/Murilo Antunes/ Márcio Borges “Canção do Novo Mundo”, “No Céu Com Diamantes”(Beto Guedes/Ronaldo Bastos), além das clássicas.


 Teremos supressas em projeções. Simplesmente Imperdível. Show Beto Guedes – Dia 01 de abril às 21:30h. Teatro Safra –Rua Josef Kryss 318 –Barra Funda - SP – Informações 3611-3042